• Paulo Saraiva

REDUÇÃO DE MAMA

Atualizado: 6 de Jun de 2019



UMA CIRURGIA DE ALÍVIO
A redução de mamas é uma das cirurgias plásticas mais solicitadas, tanto no Brasil quanto no mundo. A cirurgia, muitas vezes, tem uma função reconstrutora, que, seja para fins estéticos ou não, visa melhorar a forma da mama ou corrigir a diferença de tamanho que possa existir entre uma e outra, por algum defeito de nascença, gravidez, câncer de mama, ou tendência genética de já crescer, na adolescência, chegando a um tamanho muito acima do proporcional ao corpo, causando problemas posturais devido ao tamanho, e causando danos à coluna vertebral. Alem disso. a intervenção serve também para reduzir o tamanho das aréolas quando elas estão muito grandes, causando desconforto à mulher.
A cirurgia é realizada em hospital, com internação de um dia para o outro, É feita sob anestesia geral, com duração média de 3 a 4 horas, dependendo do tamanho das mamas.
A candidata ideal para a operação de mamoplastia é a mulher que apresenta sintomas e desconforto físico devido tanto ao peso que a conformação do peito quando ele é muito grande. Os sintomas incluem:
- Dor nas costas
- Dor na cervical ( atrás da nuca )
- Sinal marcado do sutiã nas costas e ombros.
A cirurgia de redução de mamas deve ser realizada em pacientes que tenham atingido a maioridade ou desenvolvimento físico completo, porque na fase de crescimento a forma das mamas pode mudar ao longo do tempo. As pacientes devem estar em ótima saúde, tanto física quanto psicológica. De fato, mesmo o aspecto psicológico não deve ser subestimado, porque a paciente deve ter expectativas realistas com relação aos resultados alcançados.
A redução de mamas não deve ser realizada durante a gravidez ou lactação, e mesmo que a mulher que tenha tido filho e não conseguiu amamentar, somente após uns 6 meses de ter filho pode ser operada, porque tem que se esperar o desinchaço. Se a paciente sofreu alguma doença ( por exemplo, doenças cardiovasculares, respiratórias, metabólicas, auto-imune, etc. ), é fundamental para o médico avaliar se a intervenção pode ser aconselhável ou não.
É muito importante dedicar tempo para se obter informações detalhadas sobre o profissional escolhido, a fim de confiar apenas em cirurgiões experientes, que tenham uma experiência certificada nesse campo.
Recomenda-se às pacientes , independentemente dos motivos que os levem a se submeter a uma cirurgia de mama, que o profissional tenha o título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e que a intervenção seja realizada em um hospital com instalações e equipamentos de centro cirúrgico adequados.
Durante a primeira consulta com o cirurgião plástico, a paciente deve fornecer todos os detalhes sobre o caso, expondo suas dúvidas, preocupações e expectativas.
O especialista avaliará a condição inicial da paciente, realizando uma avaliação da mama, para definir as possibilidades específicas de cada caso.
No estudo pré-cirúrgico, os objetivos a ser atingidos com o tratamento devem ser estabelecidos para se obter um resultado satisfatório para a paciente. Da mesma forma, a paciente deve esclarecer quais aspectos deseja melhorar e qual volume ou tamanho deseja alcançar.
Além disso, o especialista deve ser informado sobre o histórico médico da paciente, possíveis alergias, doenças, histórico familiar e pessoal. O cirurgião especificará o procedimento a ser realizado e o tipo de cicatriz.
Para se obter um resultado satisfatório e de acordo com as próprias expectativas, é importante desenvolver um relacionamento sincero e confiante com o cirurgião logo na primeira consulta.
Como em qualquer procedimento cirúrgico, um estudo pré-anestésico é obrigatório. Além disso, um exame detalhado da mama antes da cirurgia será realizado e tanto a mamografia quanto a ultrassonografia serão realizadas. Isso com o objetivo de detectar alguma alteração das mamas, como cistos ou nódulos. Pede-se também exame de sangue e urina e avaliação cardiológica ( risco cirúrgico ). Se a paciente é fumante, pede-se para que ela suspenda o cigarro um mês antes até um mês depois, porque o cigarro traz grandes transtornos na cicatrização, a;é, de causar secreção e pigarro na garganta.
O principal objetivo da mamoplastia redutora é a redução das glândulas mamárias e, às vezes, também do mamilo, quando esse é muito proeminente, além da remoção do excesso de pele e gordura da mama.
Antes de ser operada, a paciente deve se programar a respeito de seu trabalho ou atividades domésticas, pois se deve evitar esforços como abrir ou levantar os braços, ou pegar e carregar pesos, por pelo menos 30 a 60 dias. A posição de dormir é a de costas ( barriga pra cima ) por 90 dias, e de bruços após 6 meses. Não é aconselhável dirigir carros por pelo menos 30 dias. Entretanto, com um mês já se pode fazer caminhadas.
A operação dura entre 3 e 4 horas, realizada sob anestesia geral, com internação de 24 horas. Só há pontos externos em torno da aréola e são retirados 15 dias depois da cirurgia. Os outros pontos são todos internos, não precisando ser retirados.
O acompanhamento pós operatório da paciente é feito durante 1 ano, após o que ela terá alta. Nas primeiras semanas são trocadas as fitas adesivas, depois a cada 15 dias. até se completarem 3 meses. O sutiã cirúrgico é recomendado ser usado por 3 meses também. O uso do sutiã será recomendável para sempre, pois ele quem dá sustentação às mamas.
São usados cremes e óleos após a cirurgia, para hidratação da pele.
Caso a paciente deseje engravidar após a cirurgia, aconselha-se fazê-lo após um ano de operada, para que a cicatriz não seja prejudicada. A amamentação poderá ser realizada, embora com menor quantidade de leite, já que uma parte das glândulas foi tirada na cirurgia.
Nos primeiros meses, os mamilos ficam dormentes, voltando a sensibilidade aos poucos. pois as mamas ainda estarão inchadas, com um tamanho maior do que o que elas terão. O formato e tamanho definitivos só acontecerão um ano após a cirurgia.
A exposição ao sol ( piscina e praia ) só é liberada depois de 4 meses de operada.
O corte é em formato de âncora ou T invertido, como é chamado, a fim de se remover o excesso de pele e glândulas, dependendo do tamanho e do resultado que cada paciente deseja alcançar. Durante a cirurgia, a aréola é reposicionada mais alta e a mama é remodelada para se obter um seio menor e mais alto. O tamanho das cicatrizes depende da quantidade de tecido a ser removido. É importante relatar à paciente que depois de uma mamoplastia redutora uma futura amamentação pode ser comprometida, por causa dos cortes dos canais do leite. algumas pacientes conseguem amamentar, outras não.
As suturas ( costuras ) são normalmente realizadas com pontos internos, coladas com fita adesiva por cima, a fim de reduzir a formação de cicatrizes mais elevadas. No final da cirurgia são colocados drenos, que são retirados no dia seguinte, no curativo ainda no hospital.
É importante ressaltar que os resultados são expressivos, uma vez que esse tipo de cirurgia, se realizada por profissionais da área, têm um risco mínimo e as pacientes já podem encontrar as primeiras melhorias em algumas semanas, tanto do ponto de vista físico quanto do aspecto emocional. Como, por exemplo:
- Aumento da auto-estima e confiança
- Maior auto-confiança e auto-imagem
- Mamas mais proporcionais e simétricas
- Figura geral mais proporciona
- Redução de dor nas costas
- Maior conforto durante a atividade física
- Maior confiança na seleção de ítens de vestuário
- Resultados a longo prazo
A dor no pós-operatório é bem tolerável, desde que o cirurgião prescreva analgésicos adequados para amenizá-la. O inchaço aparecerá, após a operação, o que diminuirá gradualmente , podendo persistir por algumas semanas ou mesmo meses, dependendo de cada pessoa. O resultado final se consegue por volta de um ano.
O curativo é feito imediatamente após o término da cirurgia, com fitas adesivas, pomada cicatrizante sobre a fita e enfaixadas as mamas. No dia seguinte, após serem retirados os pequenos drenos, é refeito o curativo, são tiradas as faixas e já se coloca o sutiã cirúrgico, que será usado por um período de três meses, para dar modelagem às mamas, usado por 24 horas, sendo retirado apenas para o banho.
Só há pontos ao redor das aréolas, que são retirados após 15 dias. No primeiro mês da cirurgia, é necessário: Evitar esforços, atividade física, dirigir, levantar os braços, dependendo do trabalho e da profissão,
O acompanhamento pós operatório da paciente é feito durante um ano, após o que ela terá alta. Nos 3 meses iniciais os curativos são feitos semanalmente, no consultório, depois disso a paciente é vista mensalmente, até se completar um ano.
A paciente deve usar sutiã cirúrgico por 90 dias, tirando-o apenas para o banho. Após esse tempo pode-se trocar o modelo do sutiã por qualquer outro. Entretanto, o sutiã será sempre recomendável, para modelar e segurar as mamas. Eventualmente pode-se usar uma roupa sem o mesmo. Depois do terceiro mês é recomendável massagear as cicatrizes com pomadas apropriadas.
Nos primeiros meses as cicatrizes tendem a ficar avermelhadas e pouco elevadas. Com o passar do tempo elas se tornam menos visíveis, ficando muito finas depois de 1 a 1 ano e meio.
Caso a paciente deseje engravidar após a cirurgia, aconselha-se a fazê-lo depois de 1 ano de operada, para que a cicatriz não seja prejudicada. A amamentação poderá ser realizada, embora com menor quantidade de leite e algumas vezes nem isso, já que as mamas são diminuidas na sua quantidade de glândulas. Nos primeiros meses os mamilos ficam meio dormentes em algumas pacientes, voltando a sensibilidade normal pouco a pouco. O formato e tamanho definitivos só acontecerão 1 ano após a cirurgia.
A exposição ao sol ( praia e piscina ) só é liberada 4 meses após a cirurgia.



23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo