• Paulo Saraiva

ANTIDIETA - COMER POR IMPULSO


VOCÊ COME POR IMPULSO?
Aprendendo a ser, a se conhecer, a se gostar e a distinguir a fome verdadeira da psicológica 'é possível emagrecer sem morrer de inanição
Emagrecer e engordar. Tornar a emagrecer e voltar a engordar. No jogo da sanfona não há participante que não saia perdendo. Imaginando que conquistar um corpo magro é objetivo inalcançável. E, em nome da beleza, acaba cometendo faltas imperdoáveis contra a saúde, que afastam definitivamente a pessoa do final feliz.
Ao contrário do que se pensa, a antidieta não é um método para emagrecer a partir da ingestão de tudo aquilo que é proibido pelos regimes convencionais. Não se recomenda a antidieta para quem já está satisfeito com o seu corpo e obtém resultados com uma dieta convencional. Misturar os dois métodos - o regime de restrição alimentar e a antidieta - só resultaria em alguns quilinhos a mais.
A antidieta se resume, basicamente, em um aprendizado que, para o aficionado emagrecer, não é nada fácil.
Primeiro passo: é preciso identificar o que é fome verdadeira e o que é vício de comer - é o que se classifica como "fome de estômago" e "fome de boca". Só se deve comer por causa da fome fisiológica independente de horários rígidos ou do medo de ficar com fome depois.
Segundo passo: a palavra "proibido" fica riscada do vocabulário, ou melhor, do cardápio. Pode-se comer de tudo, desde que se esteja com vontade de comer determinado alimento para saciar a fome.
Terceiro passo: aprender a parar de comer quando a fome fisiológica estiver saciada - e não quando a comida se esgotar ou quando o estômago já estiver pesado.
Apesar de o tratamento ser simples, as "recaídas" à tentadora "fome de boca" ( come-se porque se está deprimido, ou porque se está alegre, ou porque amanhã se começa um novo regime, etc.) são comuns e até fazem parte do processo, que só produz resultado a longo prazo.
Emagrecer, em nossa cultura, não é perder alguns ou muitos quilos. Significa também ser feliz, ser amado, bonito. Essa idealização - falsa - de felicidade de ser magro deve ser eliminada. A maioria dos seguidores de uma dieta volta a engordar, porque, entre muitos motivos, percebe que ser magro não modifica tanto assim sua vida emocional. Fazer a pessoa aceitar seu corpo como ele é hoje, antes do regime, e não como será depois, é a primeira regra para o sucesso.
Isso não significa que não se vá emagrecer. É a própria insegurança em relação ao corpo que leva a pessoa a comer. E aí começa o ciclo vicioso que destrói todos os regimes: a dieta leva ao abuso; o abuso leva à culpa por ter rompido a dieta; fica-se deprimido e come-se por causa da depressão. Engorda-se mais ou parte-se para outra dieta. E o ciclo se fecha novamente.
Mas por que os estudos psicológicos podem levar uma pessoa a comer? Esse é outro ponto importante a ser combatido pela antidieta.
A compulsão : essa é, segundo os psicanalistas, uma síndrome com sintomas claros. Pode até coincidir com a obesidade, mas as duas não estão necessariamente relacionadas.
2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo